Além de orientar a população sobre o Coronavírus, o serviço de Chatbot da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) passa a oferecer também consultas on-line com uma equipe multidisciplinar. Nesta nova etapa, é possível que os profissionais de saúde prescrevam os esquemas terapêuticos e exames, além de encaminhar para outros atendimentos médicos. O serviço é da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) e Samel, que foi reativado no último dia (26/01). O atendimento é gratuito para toda a população do Amazonas e será realizado exclusivamente pelo aplicativo da Samel.

A professora da UEA, Adriany Pimentão, explica que, diferente da primeira etapa, o chatbot aplica respostas automáticas, mas também possibilita a interação imediata com uma equipe multidisciplinar da UEA formada por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, odontólogos e biólogos que vão fazer uma primeira triagem pelo serviço de telemensagem WhatsApp Web. ¿Através dessa plataforma e do atendimento mais humanizado, a gente vai poder conversar diretamente, visualizar o paciente e fazer uma melhor avaliação clínica no momento do atendimento. E, dependendo da necessidade do paciente, vamos encaminhar para uma consulta on-line com o profissional de medicina.

Chips

Para esta nova etapa do serviço do chatboot, a Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários da UEA disponibilizou 60 chips. O serviço funciona de segunda a sexta-feira e, também aos fins de semana e feriados, das 7h às 23h.

O Chatbot da UEA terá o apoio de uma equipe multidisciplinar formada por 100 profissionais entre Enfermeiros, Médicos, Psicólogos, Odontólogos, Fisioterapeutas, Farmacêuticos, Biólogos, Residente de Enfermagem e alunos da área de saúde do 8º período.

Atendimentos em 2020

O aplicativo Sasi, lançado no dia 1º de abril de 2020, realizou 92.477 atendimentos de pessoas com sinais e sintomas de Covid-19 e teve, entre os usuários, nota de satisfação 4,8 – em uma escala que vai até 5. Por meio da consulta os médicos conseguiam identificar os casos leves e assim fornecer orientações para os cuidados em domicílio. Nos casos de pacientes com sintomas mais fortes, o paciente era orientado a procurar uma unidade de saúde.


Texto: ASCOM UEA

Categorias: saúde

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *